terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Fabricantes terão que indicar presença de lactose no rótulo de alimentos

31/01/2017 18h53
Brasília
Aline Leal - Repórter da Agência Brasil

Fabricantes de alimentos terão que indicar no rótulo sempre que o produto tiver lactose na composição. A determinação, feita hoje (31) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), prevê que em 24 meses todos os produtos devem estar dentro da norma.

A declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 miligramas (mg) de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer alimento que contenha lactose em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” na embalagem.

Segundo a Anvisa, o limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação, como Alemanha e Hungria. De acordo com a agência reguladora, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

A nova regra da Anvisa também permite que os fabricantes de alimentos empreguem a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose“ ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença da substância.

Apenas os estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagem ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informar sobre o conteúdo de lactose.

A norma é uma regulamentação decorrente da Lei 13.305 de 2016, que tornou obrigatória a informação da presença de lactose nos rótulos de alimentos.

Edição: Fábio Massalli
Agência Brasil

Procedimentos ocultos e sigilosos evidenciam que há algo errado no Supremo


Charge do Bessinha, reprodução do site Conversa Afiada

Rubens Valente e Letícia Casado
Folha

O fim do segredo de Justiça sobre a delação dos 77 executivos e ex-executivos da construtora Odebrecht depende muito mais da Procuradoria-Geral da República do que da presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia. A ministra homologou o acordo nesta segunda-feira (dia 30). A Folha apurou que a PGR não pediu o fim do sigilo à ministra, mesmo após a decisão dela, que valida juridicamente a delação.

Levantamento feito pela Folha em oito dos principais acordos de colaboração premiada fechados no STF na Lava Jato indica que a procuradoria optou por manter o sigilo sobre a maioria das delações, ainda que já tivessem sido homologadas.

Em contrapartida, a partir do momento em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o fim do sigilo, foi rápida a resposta do então ministro relator do STF, Teori Zavascki, morto no último dia 19. Em sete casos, ele tomou a decisão no prazo de um a dez dias.

DÚVIDAS NA LEI – O principal argumento da Procuradoria para manter o segredo é evitar prejuízo à investigação. Janot também costuma citar a lei da delação que prevê, em seu artigo 7º, que o acordo “deixa de ser sigiloso assim que recebida a denúncia”.

Houve casos, porém, em que o sigilo acabou antes da denúncia, como nas delações do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef. As delações perderam o sigilo quando da abertura dos inquéritos, fase muito anterior à denúncia.

O levantamento também confirma que não partiram de Teori as iniciativas de encerrar o sigilo. Isso ocorre porque o STF tem adotado um entendimento de que a PGR tem o “domínio da lide”, ou seja, cabe sempre a ela dizer quando abrir os documentos ao público e quais diligências devem ser feitas a partir das delações, por exemplo.

NÃO HÁ PADRÃO – O tempo transcorrido entre a homologação e o fim do sigilo, a pedido da PGR, variou de 20 dias, como foi o caso da delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, a 166 dias, no processo relativo ao ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Um dos oito casos ainda não teve a publicidade confirmada. É o que trata da delação de Otávio Azevedo, ex-executivo da construtora Andrade Gutierrez. Informação confirmada na época pelo STF indica que o acordo foi homologado por Teori em 6 de abril do ano passado. Porém, seu conteúdo não foi tornado público até agora.

Indagada pela Folha sobre a divulgação da delação de Azevedo, a PGR disse estar impossibilitada de explicar detalhes do caso.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Não existe padrão nem explicação num tribunal que mantém quase 200 “processos ocultos”, em flagrante transgressão aos princípios da Publicidade e da Moralidade, que norteiam o exercício da Justiça. A delação da OAS foi anulada por citar o ministro Dias Toffoli e a delação da Andrade Gutierrez continua sigilosa sem a menor justificativa. A verdade é que o Supremo, nos moldes em que funciona (ou mal funciona, poder-se-ia dizer), com seus procedimentos ocultos e sigilosos, está se transformando em mais uma vergonha nacional. E quem quiser que conte outra, como se dizia antigamente. (C.N.)Posted in Tribuna da Internet

Rio tem 18 policiais militares mortos e 44 feridos este ano

31/01/2017 13h32
Rio de Janeiro
Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil

A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) divulgou que até a manhã de hoje (31) 18 policiais foram mortos este ano, dos quais quatro estavam em serviço, 12 de folga e dois eram PMs aposentados. De acordo com o Instituto de Segurança Pública, em janeiro do ano passado, um policial militar foi morto em serviço e seis foram mortos em folga.

Dos 44 policiais militares feridos este ano, 30 estavam em serviço, 13 de folga e um é policial aposentado.

Em 2016, segundo a PMERJ, 26 policiais foram mortos em serviço e 51 de folga e 250 foram feridos em serviço e 107 de folga.

Manifestação
No último dia 15, a praia de Copacabana foi palco de uma manifestação contra a morte de policiais militares no Rio de Janeiro. O protesto foi organizado pela entidade SOS Polícia e reuniu cerca de 50 manifestantes, incluindo filhos de militares, e levou para a areia cruzes, bonecos caídos na praia vestidos com fardas de PMs manchadas de vermelho, simulando sangue e cartazes e faixas com as frases Também somos vítimas, Rio de Janeiro em Luto, e outras, pedindo mudanças na legislação penal.

Edição: Maria Claudia
Agência Brasil

Pesquisadores da UFMG desenvolvem aplicativo que auxilia no pré-natal

SEG 30 JANEIRO 2017  

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da UFMG planejaram e desenvolveram o aplicativo “Meu Pré-Natal”, um programa interativo que busca responder as principais dúvidas das gestantes durante o atendimento pré-natal, de acordo com seu período gestacional.

"Esse aplicativo foi desenvolvido por uma equipe multidisciplinar de professores e alunos da UFMG e profissionais da computação. Além de divulgar as melhores práticas de assistência a gestação diretamente para as mulheres, o projeto tem o objetivo cientifico de testar troca de informações sobre saúde entre sistemas eletrônicos", avalia a coordenadora do projeto e professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Zilma Reis.

A ideia do aplicativo surgiu a partir das demandas vivenciadas durante o atendimento pré-natal e da dificuldade de, muitas vezes, conversar em uma linguagem que as futuras mães consigam entender. “Esse é um aplicativo com enfoque educacional, voltado para o casal grávido, principalmente à gestante, procurando apoiar com informações adequadas à trajetória desde o momento que engravida até o pós-parto”, pontua Zilma.

“Procuramos colocar a demanda de cada momento da gravidez de forma objetiva, em ordem cronológica, no formato de pergunta e resposta com o conteúdo mais importante para ela se manter bem orientada sobre os cuidados e as transformações em seu corpo”, continua. Por exemplo, deve-se continuar tomando o remédio agora que está grávida? Ou quando se deve começar a fazer pré-natal?

Além disso, a professora dá destaque para um dos propósitos que é evitar a prematuridade do parto, a principal causa de morte entre os bebês ao nascer, já que a idade gestacional é o principal indicador se ele vai sobreviver ou não. “Esse é o diferencial em relação a outros já existentes, pois todo seu conteúdo se apoia nas melhores evidências científicas”, destaca Zilma.

Mas ela também chama a atenção para o fato de que esse aplicativo não substitui a orientação do profissional de saúde, pelo contrário, ele valoriza o cuidado pré-natal nas unidades de saúde.

Aplicativo

Além da linguagem simples e as respostas das principais dúvidas, o aplicativo oferece o gestograma, um calendário gestacional que os profissionais de saúde utilizam para determinar a data prevista para o parto, baseado na última menstruação e nas informações disponibilizadas pelo ultrassom.

Dentro do menu também há orientações para o plano de parto recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que inclui informações sobre o direito a acompanhante e as diferentes opções do parto, e um álbum de fotos organizado em uma espécie de linha do tempo da gestação. Um vídeo sobre o parto e amamentação é, também, uma das estratégias de comunicação com os usuários.

Ainda há um contador de contrações que auxilia a mulher saber a hora de ir para o hospital. “Este ajuda muito na prática porque, por mais que orientamos ela acompanhar pelo relógio, na hora da dor é difícil ter essa concentração”, afirma Zilma.

Quando o bebê nasce e este fato é comunicado ao aplicativo, o programa pede algumas informações como nome, sexo e uma foto, gerando um cartão de nascimento que pode ser compartilhado com amigos e familiares através do Facebook.

Além da professora Zilma, há as co-coordenadoras Patrícia Gonçalves Teixeira, Alamanda Kfoury e Maria Albertina Santiago, professoras da Faculdade de Medicina da UFMG; e a professora da Escola de Enfermagem, Kleyde Ventura.

A iniciativa contou com o recurso do projeto de pesquisa chamado Skin Age, desenvolvido na UFMG, com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), Fundação Bill & Melinda Gates, Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), CNPq e o Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit/SCTIE/MS), através dos editais do Programa Pesquisa para o SUS (PPSUS) Redes 2013.

Desenvolvimento
O “Meu Pré-Natal” teve sua primeira versão disponibilizada no final de junho de 2016 e já tem por volta de 1.500 downloads. Voltado para o público geral, foi desenvolvido durante cerca de um ano de forma multidisciplinar, com a participação de alunos de graduação, pós-graduação, web designers, programadores e professores de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina e da Escola de Enfermagem da UFMG.

“Durante um semestre no atendimento pré-natal, os alunos anotaram, com as palavras das pacientes, as dúvidas apresentadas durante a consulta. Fizemos uma lista com essas 140 dúvidas mais frequentes e buscamos as respostas na melhor literatura científica”, conta Zilma.

“Depois, os conjuntos pergunta-resposta passaram por uma revisão de quatro especialistas, professores e pesquisadores da UFMG. Já na outra etapa, voltamos até as grávidas e perguntamos se tinham entendido bem o conteúdo das perguntas e respostas, para que fosse validada a linguagem utilizada”, completa.

Segundo o técnico em Tecnologia da Informação do Centro de Informática em Saúde (Cins) da Faculdade e responsável pelo desenvolvimento do aplicativo, Isaías José de Oliveira, o “Meu Pré-Natal” foi feito em uma versão única disponível gratuitamente para IOS e Android (em breve também para o Windows Phone), além de ser pensado para ser intuitivo e prático. Nas próximas versões, está previsto o idioma espanhol e inglês.

Agência Minas

Começam hoje as inscrições para o ProUni

31/01/2017 05h44

Brasília

Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

A partir de hoje (31), os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano passado podem se inscrever no Programa Universidade para Todos (Prouni). As inscrições podem ser feitas pela internet, no site do programa. O período de inscrições se encerrará às 23h59, no horário de Brasília, de 3 de fevereiro.

No total, serão oferecidas 214.110 bolsas de estudos, número que apresenta um crescimento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram ofertadas 203.602 bolsas. O ProUni concede bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação em instituições privadas de educação superior de todo o país. A seleção dos candidatos, com base nas notas do Enem, alinha inclusão à qualidade e mérito dos estudantes com melhor desempenho acadêmico.

Do total de bolsas ofertadas, 103.719 são integrais e 110.391 parciais — o governo federal cobre 50% da mensalidade. Para acesso ao processo seletivo, na página eletrônica do programa, o candidato deve informar o número de inscrição e a senha usados no Enem. É possível escolher até duas opções de curso, por ordem de preferência.

O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 6 de fevereiro e o da segunda chamada, no dia 20. 

Podem concorrer os estudantes que não tenham diploma de curso superior e tenham alcançado o mínimo de 450 pontos no Enem; tenham cursado o ensino médio em escola pública ou, na condição de bolsista integral, na rede particular e comprovem renda familiar de até um salário mínimo e meio para a bolsa integral e de até três salários mínimos para a parcial. Também podem participar pessoas com deficiência e professores da rede pública que integrem o quadro permanente da instituição de ensino.

Edição: Graça Adjuto
Agência Minas

Departamento de Justiça dos EUA divulga ao mundo a corrupção de Lula e Dilma



Nelson Machado, da equipe de Mantega, operou a MP

Deu na Imprensa 
Viva

Vinte e quatro horas após celebrar os acordos de colaboração com a Odebrecht e a Braskem, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, o equivalente ao Ministério da Justiça brasileiro, revelou ao mundo todas as informações constantes do acordo de delação da empreiteira que a Procuradoria Geral da República em Brasília vinha mantendo em sigilo. A MP 470 assinada por Dilma com orientação de Lula e da própria Odebrecht garantiu benefícios para a Braskem relativos ao crédito prêmio de IPI e IPI Zero. O texto da MP foi elaborado por Maurício de Carvalho Ferro, da área jurídica da Odebrecht, e submetido a Nelson Machado, da equipe de Guido Mantega.

CRIVO DE LULA E MANTEGA – Tudo passou pelo crivo do ex-presidente Lula e em troca, o então ministro Guido Mantega pediu os R$ 50 milhões para a campanha de Dilma. No bolo da propina, Lula, Dilma e Antonio Palocci se fartaram.

O documento do Departamento de Justiça dos EUA, portanto, confirmou as conclusões do delegado Filipe Pace no relatório da Operação Omertà.

TRANSPARÊNCIA – O Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ, como é chamado nos EUA) deu um show de transparência, objetividade e rapidez, três pilares da Justiça eficiente. Informações consolidadas e claras sobre duas companhias brasileiras, a Odebrecht e a Braskem, foram organizadas de maneira que era desconhecida no Brasil.

Quer saber quanto a Odebrecht pagou em propina no Brasil para políticos e funcionários públicos? Pergunte ao DoJ. Foi o equivalente a R$ 1,9 bilhão, pela cotação atual do dólar, ou US$ 599 milhões, de acordo com um documento que faz parte do acordo da Odebrecht.

VAZAMENTO – O grau de corrupção durante os governos petistas de Lula e Dilma atingiu uma escala tão monstruosa, que a Odebrecht precisou comprar um banco em Antígua, no Caribe, para pagar propina quando outras instituições já não aceitavam operar com o volume de dinheiro sujo da empresa.

Resta saber se Lula, Dilma, os demais membros do PT e parte da imprensa conivente com o crime organizado no Brasil vão ter coragem de reclamar de “vazamento” com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

(reportagem enviada por Mário Assis Causanilhas)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Conheça o Grupo Kraftwerk




Kraftwerk (pronúncia em alemão: [ˈkʀaftvɛɐk], usina de energia) é um influente grupo musical alemão de música eletrônica. O grupo foi formado por Ralf Hütter e Florian Schneider em 1970, em Düsseldorf e liderado por ambos até a saída de Schneider, em 2008. A formação mais conhecida, duradoura e bem sucedida foi aquela que se consolidou entre 1975 e 1987 e que incluía os percussionistas Wolfgang Flür e Karl Bartos.

Reconhecido por muitos críticos musicais como tão influente quanto ou até mais que os Beatles por sua participação na música popular da segunda metade do século XX[, as técnicas introduzidas e os equipamentos desenvolvidos pelo Kraftwerk são lugar-comum na música atual e o grupo é geralmente tido como precursor de toda a dance music moderna de modo geral.
 Suas letras, por vezes cantadas através de um vocoder ou geradas sinteticamente, ainda que minimalistas, geralmente lidam com temas relacionados à vida urbana e à tecnologia.

No dia 5 de Janeiro de 2009, Florian Schneider anunciou a sua saída do Kraftwerk. Schneider era o penúltimo integrante da formação original da banda, da qual também foi um dos fundadores, onde permaneceu por mais de 30 anos.

Florian não se apresentava com o Kraftwerk desde a turnê nos EUA de Abril de 2008, e foi substituído nesses shows por Stefan Pfaffe (antigo colaborador da banda). Da formação original restou apenas Ralf Hütter.

Em 2011 depois de um tempo ocioso, o Kraftwerk anunciou uma video-instalação em Munique], com shows acompanhados de projeções completamente em 3D e algumas obras jamais tocadas ao vivo. 

Já em 2012, após um concerto em Miami, no Ultra Music Festival, o grupo fez uma série de shows no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA]. Nessa série de shows, chamada de “Kraftwerk 1 2 3 4 5 6 7 8″, foram reproduzidos ao vivo, oito dos discos que mais fizeram a fama do grupo, dando atenção especial a qualidade de som e projeção. De surpresa, o grupo também fez uma espécie de "resumo" desses concertos no Sónar SP, substituindo a cantora Björk.
Atualmente o integrante Stefan Pfaffe foi substituído pelo Engenheiro de Som e Vídeo Falk Grieffenhagen, fez dois shows e duas retrospectivas: em Düsseldorf (Alemanha), Inglaterra e agora fará no Japão, em Sydney e pequenas turnês pelo Oriente e Europa.
Wikipédia


Os Robôs
Nós estamos carregando nossa bateria
E agora estamos cheios de energia
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nos somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós estamos funcionando automático
E estamos dançando mecânico
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs

Ja tvoi sluga (=Eu sou seu escravo)
Ja tvoi Rabotnik robotnik (=Eu sou seu trabalhador)

Nós estamos programados para fazer
qualquer coisa que você quiser
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs

Nós estamos funcionando automático
E estamos dançando mecânico
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs
Nós somos os robôs

Ja tvoi sluga (=Eu sou seu escravo)
Ja tvoi Rabotnik robotnik (=Eu sou seu trabalhador)
Ja tvoi sluga (=Eu sou seu escravo)
Ja tvoi Rabotnik robotnik (=Eu sou seu trabalhador)
[Repete desvanecendo]
Nós somos os robôs

Radioatividade

Radioatividade
No ar para você e eu
Radioatividade
Descoberta por Madame Curie

Radioatividade
No ar para você e eu
Radioatividade
No ar para você e eu

Refrão:
Radioatividade está no ar para você e eu
Radioatividade Descoberta por Madame Curie
Radioatividade sintoniza o... Kraftwerk

Radioatividade
Envia vibrações para serem recebidas
Para você e eu no espaço ela surge

Radioatividade
Envia ondas para o receptor
(Envia ondas para o receptor)

Radioatividade
Quando o assunto é o nosso futuro
(= Quando o assunto é o nosso futuro)

Refrão:
Radioatividade está no ar para você e eu
Radioatividade descoberta por Madame Curie
Radioatividade sintonize o... Kraftwerk

Radioatividade
No ar para você e eu

Radioatividade
Descoberta por Madame Curie

Radioatividade
Sintonize na melodia

Radioatividade
No ar para você e eu

Rede municipal inicia ano letivo na quarta-feira

JUIZ DE FORA - 30/1/2017 - 15:29
As aulas do primeiro semestre letivo da rede municipal de ensino começarão na quarta-feira, 1º de fevereiro. Serão 102 escolas e, aproximadamente, 46 mil alunos voltando às as atividades. Para esta terça-feira, 31, estão programadas reuniões pedagógicas nas unidades de ensino, com todos os profissionais do magistério, com objetivo de realizar o planejamento para o início deste semestre.

A secretária de Educação, Denise Vieira Franco, recomendou às famílias que intensifiquem o acompanhamento dos alunos nestes primeiros dias de aula: “É essencial conhecer a equipe das escolas e os profissionais que estarão mais próximos das crianças e dos adolescentes. É importante, também, que os pais participem de reuniões eventualmente agendadas por estabelecimentos de ensino, para que todas as informações sejam transmitidas e as dúvidas, esclarecidas”.

Os pais que não fizeram as matrículas dos filhos no período determinado devem procurar a Supervisão de Apoio ao Educando da Secretaria de Educação (SE), na Avenida Getúlio Vargas, 200, 2º piso, sala 29, no Centro, e solicitem rastreamento para verificar a escola que possui vaga para atender o aluno em sua faixa etária. A SE está disponível também para qualquer esclarecimento.

Neste mês, a SE mobilizou todos os seus departamentos para realização das contratações do magistério para atuação na rede municipal em 2017, tanto para a regência das salas de aula, como para os projetos e, ainda, para coordenação pedagógica. O processo foi bastante extenso e recebeu elogios dos candidatos com relação à organização, à transparência e à agilidade.

Cartão “Passe Fácil Estudante”
O cadastramento para o programa Cartão “Passe Fácil Estudante” será aberto pela SE em 1º de fevereiro, com duração até 31 de março. Os responsáveis pelos estudantes ou os alunos maiores de idade deverão retirar a ficha de requerimento nas próprias escolas, obedecendo os critérios do edital publicado no “Atos do Governo”, no site da Prefeitura. A ficha e os documentos solicitados deverão ser entregues em uma das unidades do Espaço Cidadão:

Centro - Avenida Rio Branco, 2.234, Parque Halfeld – Centro. Contato: 3690-8158 / 3690-8159
Oeste - Avenida Presidente Costa e Silva, 1.800 - São Pedro. Contato: 3690.8285
Sul - Rua Porto das Flores, 270 - Santa Luzia. Contato: 3690.8299 / 3690.8301
Nordeste - Rua Santa Terezinha, 172 - Santa Terezinha. Contato: 3690.8605 / 3690.8610
Norte - Rua Inês Garcia, 357 – Benfica. Contato: 3690.7918

* Informações com Assessoria de Comunicação da SE pelo telefone 3690-8497.
Portal PJF

Cerimônia de troca de comando da Polícia Militar de Minas Gerais

SEG 30 JANEIRO 2017 14:02
Fernando Pimentel preside cerimônia de troca de comando da Polícia Militar de Minas Gerais

Manoel Marques/Imprensa MG

O governador Fernando Pimentel presidiu, nesta segunda-feira (30/1), em Belo Horizonte, a solenidade de troca de Comando Geral da Polícia Militar de Minas Gerais. O coronel Helbert Figueiró de Lourdes assumiu o posto em substituição ao coronel Marco Antônio Badaró Bianchini. Pimentel ressaltou, em seu discurso, o respeito e estima à Polícia Militar de Minas Gerais e o apoio que continuará prestando à instituição, agora sob novo comando.

“A presença, aqui, de tantas autoridades representativas do nosso estado registra que Minas Gerais muito estima a nossa Polícia Militar. Tenho gratidão muito sincera ao coronel Bianchini e, na pessoa dele, a todos os oficiais que prestaram serviços ao longo desses dois anos. Obrigado pelo trabalho, empenho, dedicação e a tudo que fizeram garantindo paz ao nosso estado”, afirmou Pimentel.

“Desejo sucesso, boa sorte e afirmo nosso apoio integral ao novo comandante, coronel Helbert, e aos oficiais. Ele é um oficial de carreira exemplar. A ele não faltará o apoio do Governo do Estado em tudo aquilo que for necessário para cumprir essa missão que lhe é confiada”, completou o governador.

Ainda de acordo com Fernando Pimentel, o apoio, respeito e carinho do Governo e da população fazem da Polícia Militar de Minas Gerais “a melhor do Brasil”. “Mesmo com todas as dificuldades financeiras e orçamentárias, que não são segredo para ninguém, continuamos priorizando a segurança. Por isso, a Polícia Militar merece tanto apoio, tanto respeito. Sejam muito felizes nesse trabalho”, finalizou.

O novo comandante-geral da PM, coronel Helbert Figueiró de Lourdes, salientou, em seu discurso, a importância do cargo e os desafios que precisarão ser enfrentados. “Aprendi com meus comandantes lições de profissionalismo e camaradagem. Aprendi a grandeza e importância histórica de nossa corporação. Hoje é um momento marcante, pois sou compelido a honrar essa história, sendo fiel ao compromisso de corresponder a uma imensa expectativa representada por quase 100 mil homens e mulheres”, destacou.

“Essa corporação está engajada, coesa e voltada para uma mesma missão, como sempre esteve em toda a sua história. Temos o compromisso de manter sólida e respeitada a nossa instituição. É pelo nosso povo que trabalhamos e justificamos a nossa existência. Externamos nosso compromisso e engajamento para que todas as nossas ações tenham como eixo a melhoria da qualidade no atendimento ao cidadão, o combate ao crime e violência. Buscaremos maior presença física dos policiais militares nas ruas. Vamos potencializar o uso dos recursos humanos e usaremos a tecnologia em prol disso”, concluiu o novo comandante-geral.

Mudança
Antes de transmitir o cargo e de se licenciar da carreira na qual atuou por mais de 30 anos, o coronel Marco Antônio Badaró Bianchini citou alguns ensinamentos aprendidos durante sua permanência na Polícia Militar. “Aprendi o real significado da palavra entrega. Hoje, além de encerrar minha carreira na Polícia Militar, encerro dois anos de comando. Um período de intensa atividade. Nos dedicamos a realizar um trabalho sério, focado na valorização do nosso policial, numa constante interlocução com a sociedade. Trabalhamos com muita dedicação e compromisso para encerrar essa jornada deixando a PM num patamar melhor do que a recebemos”, explica.

Entre as ações implementadas pela sua equipe, o coronel Bianchini citou o aumento do efetivo da instituição e a aquisição de materiais de trabalho. “Penso que obtivemos êxito. Graças ao prestígio da nossa instituição com o Governo estadual, nos últimos dois anos pudemos comemorar algumas conquistas, incluindo, só em 2016, mais de 3.000 novos policiais, além de mais de 1.500 novos veículos, assim como equipamentos e armamentos”, salientou. “Obrigado governador pela confiança e respeito que o senhor sempre demonstrou à Polícia Militar. Continuo depositando a confiança que sempre tive no senhor”, encerrou.

Agência Minas

“Sessão Cidadão” exibe “Até o último homem”

JUIZ DE FORA - 30/1/2017 - 12:24

FOTO: Divulgação

Dirigido por Mel Gibson, o drama “Até o último homem” é a atração desta semana no projeto “Sessão Cidadão” e será exibido na terça-feira, 31, e na quinta-feira, 2, às 19 horas, no CineArte Palace (esquina das ruas Halfeld e Batista de Oliveira, Centro). O ingresso tem preço simbólico de R$ 1. A classificação indicativa do filme é de 16 anos.

“Sessão Cidadão” é um projeto da Prefeitura de Juiz de Fora, por meio da Funalfa, em parceria com o CineArte Palace, sendo parte do processo de revitalização do cinema e constituindo uma opção de lazer cultural a preço acessível.


“Até o último homem” (EUA/2016)

Gênero: Drama Duração: 139 minutos
Classificação: 16 anos 
Direção: Mel Gibson 
Elenco: Andrew Garfield, Vince Vaughn, Teresa Palmer 

Sinopse: Durante a Segunda Guerra Mundial, o médico do Exército Desmond T. Doss (Abdrew Garfield) se recusa a pegar em uma arma e matar e pessoas, porém, durante a Batalha de Okinawa, ele trabalha na ala médica e salva mais de 75 homens, sendo condecorado. O que faz de Doss o primeiro Opositor Consciente da história norte-americana a receber a Medalha de Honra do Congresso.

*Informações com a Assessoria de Comunicação da Funalfa pelo telefone 3690-7044.
Portal PJF

Resultado do Sisu já está disponível

30/01/2017 12h40
Brasília
Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

O resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) está disponível no site do programa. Os estudantes já podem consultar se conseguiram a vaga que pleitearam no ensino superior público. Ao todo, são ofertadas 238.397 vagas em 131 instituições públicas, entre universidades federais e estaduais, institutos federais e instituições estaduais.

Após estudantes manifestarem dificuldades em acessar o sistema, o Ministério da Educação (MEC) decidiu prorrogar o período de inscrição. Inicialmente, o prazo terminaria no dia 27 mas, com as falhas no site, foram prorrogadas até ontem (29). A data do resultado, no entanto, foi mantida. O período de matrícula será de 3 a 7 de fevereiro.

Demora na divulgação do resultado
O MEC não especificou a que horas o resultado seria divulgado. A espera gerou ansiedade nas redes sociais. "A única coisa que o MEC faz com pontualidade é fechar o portão do ENEM e fechar o sisu mas divulgar o resultado nada né", diz um usuário no Twitter.

Outro comparou o resultado da prova a um novo amor: "Dormi pensando no sisu acordei pensando no sisu, parece até que tô apaixonada de novo...", diz. "O Sisu deveria dar vaga pra nós só pelo fato da gente ficar de plantão no site", defendeu outra usuária do microblog. 

Lista de espera
Os candidatos que não forem selecionados na chamada regular poderão participar, a partir de hoje (30) da lista de espera. Isso pode ser feito até 10 de fevereiro. Esses candidatos serão convocados a partir do dia 16 de fevereiro, caso haja vagas remanescentes.

Para partipar da lista, basta acessar o site e clicar no campo correspondente para acessá-la. É necessário fazer o login com o número de inscrição e a senha escolhidas na hora do cadastro no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A lista é para a primeira opção de curso feita pelo estudante. 

O Sisu seleciona os estudantes com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Cabe a cada instituição definir o cálculo que utilizará para a seleção dos novos alunos. Para participar do processo, o estudante não pode ter tirado nota zero na redação do exame. Ao todo, mais de 6,1 milhões fizeram o Enem em 2016.

Edição: Carolina Pimentel

Governo do Estado nomeia mais 2.500 trabalhadores da Educação

SEG 30 JANEIRO 2017 12:10 ATUALIZADO EM SEG 30 JANEIRO 2017 11:54

O Governo de Minas Gerais publicou no último sábado (28/1), no jornal Minas Gerais, mais uma lista com 2.500 nomeações de servidores, desta vez contemplando exclusivamente Professores de Educação Básica Regentes de Turma do Edital 2011, cujo prazo de validade termina em 30 de janeiro. Com mais essa nomeação, o Estado atinge a marca de 39.551 trabalhadores da Educação nomeados em pouco mais de dois anos.

Segundo o subsecretário de Gestão de Recursos Humanos da Secretaria de Estado de Educação (SEE), Antônio David de Sousa Junior, a medida mostra o esforço do Governo em valorizar a carreira de professor do Estado e o compromisso em dar mais estabilidade ao sistema de educação com a ampliação do número de servidores efetivos. 

“Com este lote, chegamos a 31.574 professores nomeados, o que representa 79,8% do total de nomeações realizados até hoje”. Ele destaca também que as nomeações abrangem para 159 municípios em 45 Superintendências Regionais de Ensino (SREs), para as quais havia vagas disponíveis. Em 2015, foram nomeados 15.051 servidores, e em 2016, 22.000 servidores.


Edital 01/2011

O concurso de Edital 01/2011 ofereceu 21.377 vagas para os cargos das carreiras de Professor da Educação Básica, Analista Educacional, Especialista em Educação Básica, Assistente Técnico Educacional e Assistente Técnico da Educação Básica.

Todas as vagas constantes do edital e para as quais houve candidatos classificados foram preenchidas entre os anos de 2012 e 2014. Já as nomeações realizadas em 2015 e 2016 foram de candidatos excedentes, como estas que foram publicadas no último sábado.

Exames

Uma vez publicada a nomeação, o aprovado deve submeter-se a exame médico pré-admissional, a ser realizado pela Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional (SCPMSO) da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), nas datas e horários informados no site da Seplag.
Agência Minas

SAA vai recompor o valor da refeição no Restaurante Popular

JUIZ DE FORA - 30/1/2017 - 09:18

Foto: Gil Velloso

Sem alteração no preço desde 2015, e após conseguir manter o valor após aumentos consecutivos das refeições na cidade, a Secretaria de Agropecuária e Abastecimento (SAA) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) vai recompor o custo do almoço no Restaurante Popular, que, a partir desta segunda-feira, 30, passará de R$ 2,50 para R$ 3,00. O reajuste leva em consideração Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

As pesquisas da SAA demonstram que, no último ano, houve um acréscimo expressivo no valor dos alimentos que compõem a cesta básica. O feijão pode ser citado com um dos itens que mais sofreu elevação e ainda assim o preço da refeição popular não havia sido alterado.

A Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) oferece as refeições em custo mais baixo em dois restaurantes populares no centro e em Benfica. São oferecidas aproximadamente 3.000 refeições/dia, de segunda a sexta-feira, em espaço humanizado e adaptado para pessoas com deficiência. O cardápio é o mesmo nas duas unidades, elaborado e balanceado por profissional nutricionista, e pode ser consultado no Portal da PJF.

* Informações com a Assessoria da Secretaria de Agropecuária e Abastecimento pelo telefone 3690-7767
Portal PJF

Cármen Lúcia homologa delações da Odebrecht na Lava Jato

30/01/2017 09h22
Brasília
Felipe Pontes - Repórter da Agência Brasil

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, homologou as delações de 77 executivos e ex-funcionários da empresa Odebrecht, nos quais eles detalham o esquema de corrupção na Petrobras investigado na Operação Lava Jato.

Com isso, os mais de 800 depoimentos prestados pelos executivos e ex-funcionários da Odebrecht ao Ministério Público Federal (MPF) se tornaram válidos juridicamente, isto é, podem ser utilizados como prova.

A expectativa agora é saber se Cármen Lúcia irá retirar o sigilo das delações, nas quais os ex-executivos citam dezenas de políticos com mandato em curso como envolvidos no pagamento de propinas. Entre os delatores está o ex-presidente do grupo Marcelo Odebrecht, que encontra-se preso desde 2015 em Curitiba e já foi condenado a 19 anos de prisão pela primeira instância da Justiça Federal.

A homologação ocorre após a morte do relator da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki, na semana passada, na queda de um avião no mar próximo a Paraty (RJ). Ele trabalhava durante o recesso do Judiciário para conseguir homologar rapidamente as delações.

Após a morte de Teori, restou à ministra Cármen Lúcia a prerrogativa de poder homologar as delações durante o recesso do Judiciário, por ser presidente do Supremo.

Após o recesso, que termina amanhã (31), Cármen Lúcia não mais poderá tomar decisões ligadas à Lava Jato, que ficarão a cargo do próximo relator da operação no Supremo.

A definição do próximo relator ainda é tema de especulação no STF, uma vez que o regimento interno prevê diferentes saídas. Não se sabe, por exemplo, se o próximo ministro responsável pela Lava Jato será sorteado entre todos que compõem o pleno ou somente entre os que integram a segunda turma, colegiado do qual Teori fazia parte.

Departamento da propina

Segundo investigações da Polícia Federal (PF), autorizadas pelo juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, a Odebrecht mantinha dentro de seu organograma um departamento oculto destinado somente ao pagamento de propinas, chamado Setor de Operações Estruturadas. 

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato, havia funcionários exclusivamente dedicados a processar os pagamentos, que eram autorizados diretamente pela cúpula da empresa.

Tudo era registrado por meio de um sofisticado sistema de computadores, com servidores na Suíça, e cujo conteúdo o Ministério Público Federal ainda se esforça para ter acesso, devido ao rígidos protocolos de segurança do sistema.

Em março do ano passado, na 23ª fase da Lava Jato, denominada Operação Acarajé, a PF apreendeu na casa do ex-executivo da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior uma planilha na qual estão listados pagamentos a mais de 200 políticos. A lista encontra-se sob sigilo.

Os esquemas ilícitos da empresa se espalham além das fronteiras brasileiras. A Odebrecht é investigada pelo menos em mais três países da América Latina: Peru, Venezuela e Equador. Em um acordo de leniência firmado com os Estados Unidos no final de dezembro, a empresa admitiu o pagamento de R$ 3,3 bilhões em propinas para funcionários de governos de 12 países

Matéria alterada às 10h03 de hoje (30) para atualização
Edição: Graça Adjuto
Agência Brasil

Testes revelam verdades sobre medicamentos genéricos no Brasil

Edição do dia 29/01/2017
30/01/2017 00h05 - Atualizado em 30/01/2017 00h05

O assundo da reportagem especial do Fantástico preocupa médicos e pacientes, porque trata da eficácia dos medicamentos genéricos. Criados como cópias dos remédios de marca e com um preço bem mais acessível, os genéricos respondem, hoje, por 30% mercado, pouco para uma política tão importante como essa.

Além de descobrir quais são os genéricos mais vendidos, para ver se eles funcionam mesmo, o Fantástico encomendou um teste num laboratório credenciado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O estudo investigou os 3 princípios ativos mais consumidos no país em 2015, produzidos por 9 laboratórios que fabricam 15 dos remédios mais vendidos no Brasil.


http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2017/01/entenda-como-foi-feito-o-teste-dos-remedios-genericos-do-fantastico.htm

Eike Batista é preso ao desembarcar no Aeroporto do Galeão

30/01/2017 10h41

Rio de Janeiro
Ana Cristina Campos - Repórter da Agência Brasil

O avião que trouxe o empresário Eike Batista de Nova York para o Rio de Janeiro pousou às 9h54 no Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão. O empresário foi preso por agentes da Polícia Federal logo após desembarcar. Neste momento, Eike está no Instituto Médico-Legal (IML) onde fará exame de corpo de delito e, em seguida, será encaminhado ao presídio Ary Franco.

O empresário embarcou no domingo (29), no Aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, em um voo da American Airlines

Eike, proprietário do grupo EBX, é suspeito de lavagem de dinheiro em um esquema de corrupção que também atinge o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, que está preso.

Eike e o executivo Flávio Godinho, seu braço direito no grupo EBX e vice-presidente do Flamengo, são acusados de terem pago US$ 16,5 milhões a Cabral em troca de benefícios em obras e negócios do grupo, usando uma conta fora do país. Os três também são suspeitos de terem obstruído as investigações.

Na quinta-feira (26), a Polícia Federal tentou deter o empresário em sua casa, no Rio de Janeiro, mas ele não estava lá. Os advogados informaram que Eike havia viajado a trabalho para Nova York e que voltaria ao Brasil para se entregar. A Polícia Federal o considerou foragido e pediu a inclusão de seu nome na lista de procurados da Interpol, a polícia internacional.

Eike, 60 anos, foi considerado o homem mais rico do Brasil e, em 2012, o sétimo mais rico do mundo pela revista Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 30 bilhões. As empresas do grupo EBX atuam na área de mineração, petróleo, gás, logística, energia e indústria naval. Em 2013, entretanto, os negócios entraram em crise e Eike começou a deixar o controle de suas companhias e vender seu patrimônio.

O nome de Eike Batista apareceu na semana passada no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Calicute, fase da Lava Jato, sobre propinas pagas por grandes empreiteiras a partidos e políticos para obter contratos da Petrobras.

Edição: Lílian Beraldo
Agência Brasil

Homem amarra, bate e queima mulher com ferro de passar em Juiz de Fora

30/01/2017 08h56 - Atualizado em 30/01/2017 08h56

Do G1 Zona da Mata

Um taxista de 36 anos foi detido após amarrar, agredir e queimar o braço da ex-companheira com um ferro de passar, em Juiz de Fora. O caso foi registrado na noite desse domingo (29), no Bairro Caiçaras. A Polícia Militar (PM) estima que as agressões tenham durado entre três e quatro horas.

De acordo com a vítima, de 41 anos, o casal está em processo de separação, mas ele não aceita. Quando chegou à casa na manhã de domingo e encontrou a mulher arrumando os pertences para sair, houve uma discussão. O homem amarrou e amordaçou a vítima, impedindo que ela se defendesse ou pedisse socorro.

O agressor ligou o ferro de passar roupas e tentou queimar o rosto da mulher, que tentou se proteger e teve o antebraço direito queimado. Durante todo o tempo que permaneceu amarrada, o homem a atingiu com chutes e socos na cabeça e na costelas, urinou nela e a mordeu.

O homem dormiu, sob efeito de álcool e do cansaço, e então a vítima conseguiu se soltar e pediu ajuda à cunhada, que a socorreu. Ao acordar e perceber que a mulher tinha escapado, o agressor pegou uma machadinha e foi atrás para tentar agredi-la. No entanto, ele foi contido e desarmado pelos familiares.

De acordo com a PM, o homem recebeu voz de prisão em flagrante pelo crime de tortura, cárcere privado e lesão corporal, impostos pela lei Maria da Penha. Os materiais usados na sessão de agressões e tortura - uma corda, um ferro de passar roupas e uma ferramenta do tipo machadinha - foram apreendidos.

O caso foi encaminhado para a Polícia Civil. O G1 solicitou informações sobre o desfecho da ocorrência e aguarda retorno.

Advogados dos cúmplices de Cabral apresentam defesas criativas e delirantes

Charge do Moisés (moisescartuns.tumblr.com)

Marco Grillo
O Globo

Advogados dos integrantes do esquema de corrupção comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral definiram as estratégias para tentar que seus clientes se livrem da cadeia: tirar o caso das mãos do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, desmobilizar a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) responsável pelas investigações no Rio e anular os acordos de delação premiada no qual executivos de empreiteiras revelaram detalhes dos desvios de dinheiro público.

Em petições protocoladas em resposta à denúncia feita pelo MPF, os defensores apresentam argumentos técnicos — ora buscando desmontar a acusação, ora tentando inviabilizar o processo — e tratam também da vida pessoal dos clientes.

ACUSAÇÃO “NULA” – Em um documento de 33 páginas, advogados de dois escritórios que atuam a favor de Adriana Ancelmo sustentam, por exemplo, que a acusação formulada é nula desde a origem, por violar o “princípio do promotor natural”.

O ponto atacado é a formação de uma equipe de procuradores para tratar exclusivamente das operações Calicute e Eficiência, desdobramentos da Lava-Jato no Rio. O grupo foi criado nos moldes da força-tarefa de Curitiba, ponto de partida das investigações. Segundo os integrantes dos escritórios Luís Guilherme Vieira e Evaristo de Moraes, a nomeação é “circunstancial” e há impedimento legal “quando referidas designações e criação de núcleos especializados são episódicas, desvelando uma relação ímpar entre a organização interna do parquet (MPF) e o caso in concretu, como ora se observa”.

A defesa cita ainda um depoimento negando que tenha havido entregas em dinheiro vivo no escritório de advocacia do qual Adriana é sócia, como foi narrado por uma testemunha.

FORO PRIVILEGIADO – Outro ponto levantado é a jurisdição em que os processos estão sendo analisados. Segundo os advogados de Hudson Braga, ex-secretário de Obras, e Luiz Carlos Bezerra, ex-assessor de Cabral, as ações deveriam correr no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Os defensores alegam que os delatores Clóvis Primo e Alberto Quintaes, ex-executivos da Andrade Gutierrez, afirmaram que houve pagamento de propinas a integrantes do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ). Como os membros do colegiado têm foro no STJ, as defesas dizem que o processo deveria ser examinado em Brasília.

Há ainda o argumento de que o caso deveria ser distribuído na Justiça Federal do Rio, e não ir automaticamente ao gabinete de Bretas. O juiz herdou os casos porque foi responsável pela Operação Saqueador e, no entendimento judicial, os processos atuais derivam daquela investigação — um mecanismo chamado prevenção garante ao magistrado o direito de julgar ações que sejam relacionadas com fatos analisados anteriormente por ele.

JUSTIÇA ERRADA – Os advogados do escritório de Tiago Lins e Silva, responsáveis pela defesa de Braga, criticam a competência da Justiça Federal no episódio. Para os defensores, o processo deveria ser julgado na Justiça estadual porque não houve prejuízo aos cofres da União, nem “indicação de prática criminosa por servidor federal”.

Já a defesa de Bezerra defende ainda que os acordos de leniência firmados por Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia sejam anulados, assim como as delações premiadas dos executivos. Para os advogados, o fato de o MPF ter se comprometido a não abrir ações penais contra os colaboradores, inviabiliza o documento.

“A imunidade penal prevista na lei 12.850/2013 (que regulamenta as delações) é figura absolutamente excepcional, cujo deferimento demanda a existência de circunstâncias específicas, as quais não foram observadas”, escreveram os advogados Ranieri Mazzilli Neto e Marcelo Camara Py.

CASAL “SEPARADO” – Nas extensas petições, sobraram espaço para, entre uma alegação e outra, pitacos sobre as vidas pessoais dos clientes. A defesa de Adriana Ancelmo duvida que Cabral tenha comprado todas as joias listadas para ela: “Verifica-se, inclusive, que algumas joias teriam sido adquiridas no período em que o casal se encontrava separado”. Já os advogados do ex-secretário de Governo Wilson Carlos elencam a “formação cristã” e o “núcleo familiar extremamente unido” em torno dele.

José Orlando Rabelo, ex-chefe de gabinete de Hudson Braga, por sua vez, tenta se desvincular do antigo aliado e afirma que Braga não permitia questionamentos.

“Na mesma linha, o secretário (Braga) não distinguia as funções e ordenava ao acusado (Rabelo) que realizasse favores particulares, como marcação de consulta, envio de documentos particulares, compra de café especial, ligações telefônicas para contatos pessoais”, assinala a petição.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Excelente reportagem de Marco Grillo, mostrando a criatividade dos advogados em matéria de Piadas do Ano. São anedotas jurídicas tão sensacionais que estão a exigir inscrição conjunta no cobiçado concurso instituído pela “Tribuna da Internet”. Essa desculpa de obedecer ao chefe nos atos de corrupção porque recebia ordens até para marcar consultas e comprar café especial, com toda a certeza, é realmente espetacular. Merece palmas entusiásticas, com o público de pé, em delírio. (C.N.) Posted in Tribuna da Internet