segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Após pane em brinquedo, pessoas são resgatadas em Juiz de Fora

31/10/2016 11h30 - Atualizado em 31/10/2016 20h43

Do G1 Zona da Mata

Pane parou brinquedo em parque em Juiz de Fora na noite de domingo (31) (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)Equipe do Corpo de Bombeiros resgatou oito pessoas que ficaram presas a cerca de 10 metros de altura, após a pane de um brinquedo no Parque de Diversões Trombini, em Juiz de Fora. A ocorrência foi registrada na noite de domingo (30). Ninguém se feriu.

O Corpo de Bombeiros informou que apenas o brinquedo ficará interditado até a emissão de um laudo que ateste condições de uso. Ainda de acordo com eles, o parque está com a situação regularizada e continuará funcionando.

A direção do Parque Trombini informou que o aparelho italiano para automaticamente quando há rompimento de energia da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) até o gerador passar a funcionar. Nesta mudança teve um rompimento de um fio do coletor do aparelho. O sensor de segurança trava as portas da máquina como recurso de proteção automática para o usuário. De acordo com a direção, o aparelho passou novamente por vistoria nesta segunda e estão em andamento as providências para a liberação do brinquedo.

Elevatório da Cemig foi usado para o resgate(Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)O G1 entrou em contato com a assessoria da Cemig, que informou por meio de nota que não encontrou no sistema nenhum registro de falta de energia e nem reclamação do cliente, conforme citado pela direção do parque. Ainda conforme a nota, a Cemig esteve no local e disponibilizou um caminhão com cesta área para ajudar no resgaste das pessoas que estavam presas no brinquedo.

Pane
De acordo com o Corpo de Bombeiros, por volta das 19h40, o brinquedo parou repentinamente e não voltou a funcionar no parque que está instalado na Rua Paracatu, no Bairro Jardim Bom Clima. Quatro homens e quatro mulheres entre 16 e 29 anos ficaram presos no alto. Ninguém se machucou porque estavam todos presos de forma segura.

Os Bombeiros usaram um elevatório da Cemig e técnicas de resgate em altura para retirada dos usuários.

Segundo a assessoria do Corpo de Bombeiros, o parque está liberado até maio de 2017 com o projeto de evento temporário aprovado, por atender as condições referentes ao projeto de segurança e pânico. Os brinquedos são autorizados após o laudo do engenheiro mecânico atestando que estão em condições de uso.

MEC adia prazo para estudantes renovarem Fies até 15 de dezembro


31/10/2016 15h51
Brasília
Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

O prazo para a renovação de contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) neste segundo semestre foi prorrogado para o dia 15 de dezembro. Inicialmente, o processo seria encerrado hoje (31). De acordo com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), dos 1,5 milhão de estudantes que devem renovar o financiamento, 980 mil o fizeram até esta manhã.

Os contratos do Fies precisam ser renovados todo semestre. O pedido de aditamento é feito inicialmente pelas faculdades. Em seguida, os estudantes devem validar as informações inseridas pelas instituições no SisFies. No caso de aditamento não simplificado, quando há alteração nas cláusulas do contrato, como mudança de fiador, por exemplo, o estudante precisa ainda levar a documentação comprobatória ao agente financeiro para finalizar a renovação. Já nos aditamentos simplificados, a renovação é formalizada a partir da validação do estudante no sistema.

Os estudantes precisam validar as informações no sistema e, no caso de aditamentos não simplificados, procurar os agentes financeiros do Fies (Caixa ou Banco do Brasil) para formalizarem a renovação dos contratos.

Os aditamentos, normalmente feitos no início do semestre, ficaram congelados devido à falta de recursos. No entanto, após a aprovação de crédito suplementar para o programa pelo Congresso Nacional, o sistema foi liberado para renovações.

O investimento nos financiamentos é de R$ 8,6 bilhões, já garantidos no orçamento, de acordo com o Ministério da Educação. A pasta assegura que, para 2017, o governo federal já enviou ao Congresso Nacional Projeto de Lei Orçamentária que contempla R$ 21 bilhões para o Fies, o que garantirá a continuidade dos financiamentos e a manutenção dos contratos com os agentes financeiros do fundo.

Edição: Amanda Cieglinski
Agência Brasil

Novembro Azul: câncer de próstata mata um homem a cada 40 minutos no Brasil

31/10/2016 16h08
Brasília
Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil
Novembro Azu lembra a importância da prevenção ao câncer de próstata 
Imagem de Arquivo/Agência Brasil

A edição deste ano da campanha Novembro Azul vai ampliar sua abordagem – com o mote “De novembro a novembro azul - movimento permanente pela saúde integral do homem”, a ação vai orientar sobre o câncer de próstata e também alertar os homens sobre a importância de cuidar da saúde.

Criada pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, a campanha visa orientar a população masculina sobre o câncer de próstata. A doença figura como o segundo tipo de câncer mais comum entre homens, com mais de 13 mil mortes anuais – uma a cada 40 minutos. Mais de 61 mil novos casos devem ser registrados no país em 2016, segundo o Instituto Nacional do Câncer.

A proposta do instituto este ano é, com a campanha já consolidada no Brasil, passar a alertar sobre os cuidados com a saúde integral do homem, mobilizando a população masculina para que se torne protagonista de sua história e responsável por sua própria qualidade de vida, em diferentes fases da vida.

Atividades
Durante o mês de novembro, serão realizadas atividades de orientação sobre o câncer de próstata e a saúde do homem e ações para estimular a atividade física. Haverá distribuição de material informativo e prédios serão iluminados na cor azul – entre eles, o Viaduto do Chá, em São Paulo, e o Congresso Nacional, em Brasília.

Um dos destaques da programação é o II Fórum Ser Homem no Brasil, marcado para a próxima segunda-feira (7). Com apoio do Senado Federal, o evento vai reunir profissionais de saúde, parlamentares, governantes, representantes do Ministério da Saúde e população em geral para debater a prevenção e o combate ao câncer de próstata e outros tipos de câncer, como de pênis e testículo.

Nas redes sociais, a campanha vai tratar da saúde integral do homem e usará as seguintes hashtags: #novembroazul #denovembroanovembroazul #menospreconceito e #maisvida. A programação completa do Novembro Azul pode ser conferida no portal do Instituto Lado a Lado pela Vida.

Edição: Amanda Cieglinski
Agência Brasil

Dois anos para meditar, antes da sucessão presidencial


Charge do Tacho, reprodução do Jornal NH

Carlos Chagas 

A partir de hoje começa no país um jejum de dois anos sem eleição. Excelente oportunidade para 140 milhões de eleitores meditarem a respeito dos votos dados e por dar. Arrependimento? Sensação de dever cumprido? Ou de tempo perdido?

Da próxima vez que o eleitor se deparar com as diabólicas maquininhas de votar, estará escolhendo o futuro presidente da República, além de governadores, deputados e senadores. Tempo de sobra para decidir sobre os rumos a tomar.

Do que o Brasil mais necessita, além de eleições? Persistir no desvio adotado de maio para cá, sob nova direção e empenhado em cercear direitos e exigir sacrifícios das camadas menos favorecidas? Ou ampliar espaços para distribuir pela maioria carente a riqueza concentrada nas elites?

São duas alternativas a concentrar as atenções gerais sem possibilidade de integração entre elas. Ou uma ou outra. Dois anos bastarão para o país decidir se os 12 milhões de desempregados se multiplicarão ou serão sensivelmente reduzidos. Tempo há para a sociedade definir-se até que outra vez sejamos chamados a votar pela distribuição ou a concentração da riqueza.

Desde que o mundo é mundo essa dicotomia atormenta a humanidade. Raras vezes, porém, abre-se ocasião como essa, um interregno de dois anos para a revelação do futuro.

ESTRELA EM ASCENSÃO – O PT começa a reunir os cacos, visando ressurgir, e um nome começa a ser lembrado para presidir o partido. É o ministro Patrus Ananias, que até agora passou incólume pelo lamaçal dos últimos anos. Resta saber se tem disposição.
Posted in C. Chagas 

domingo, 30 de outubro de 2016

Em Juiz de Fora, mesmo não sendo o ideal, Bruno foi reeleito


Bruno Siqueira (PMDB) está na frente na disputa pela prefeitura de Juiz de Fora. Com 46,16% das urnas apuradas, o atual prefeito conta com 59,24% dos votos, enquanto sua adversária Margarida Salomão (PT) registra 40,76%. Brancos somam, até o momento, 3,50%, nulos 10,65% e abstenções 23,63%.

Na maior cidade da Zona da Mata, com 395,4 mil eleitores, a corrida eleitoral foi marcada pela rejeição ao PT. 

Pelo segundo mandato e pela manutenção da hegemonia de seu partido, que governou o executivo de Juiz de Fora em 30 dos últimos 40 anos, Bruno não poupou críticas ao modelo de gestão do Partido dos Trabalhadores.

Já Margarida Salomão, deputada federal e ex-reitora da UFJF, se concentrou em mostrar os benefícios que sua legenda trouxe para o município. De acordo com a candidata, várias obras feitas em Juiz de Fora, nos últimos anos, foram realizadas com recursos repassados pelos governos Lula e Dilma. 

No primeiro turno, Siqueira teve 39,07% dos votos válidos (103,8 mil) contra 22,38% de Margarida (59,6 mil).


Resultado completo da eleição para prefeito:
Bruno Siqueira (PMDB):  151.194 (57,87%)
Margarida Salomão (PT): 110.059 (42,13%)
Votos apurados: 305.422
Válidos: 261.253 (85,54%)
Brancos: 11.556 (  3,78%)
Nulos: 32.613 (   10,68%)
Abstenções: 90.003 (22,76%)
Fonte G1 Zona da Mata

A milícia de Renan Calheiros e o abuso de poder

O jurista Modesto Carvalhosa bate pesado em Renan

Modesto Carvalhosa
Estadão

A prisão, no recinto do Senado Federal, do chefe da sua milícia – o Pedrão – e três de seus companheiros põe à mostra até que ponto os donos daquela Casa, nas últimas décadas, a tornaram um feudo para a prática de grandes crimes e de refúgio de notórios corruptos. Para tanto os sucessivos presidentes do outrora respeitável Senado da República formaram uma milícia, totalmente à margem do sistema constitucional, a que, pomposamente, denominaram “Polícia Legislativa”, também alcunhada de “Polícia do Senado”.

Não se podem negar a esse agora notório exército particular relevantes trabalhos de inteligência – do tipo CIA, KGB –, como a célebre violação do painel de votações daquele augusto cenáculo, ao tempo do saudoso Antônio Carlos Magalhães e do lendário José Roberto Arruda, então senador e depois impoluto governador do Distrito Federal.

VARREDURAS – E nessa mesma linha de sofisticação tecnológica a serviço do crime – agora de obstrução de Justiça – a milícia daquela Casa de Leis promove “varreduras”, nos gabinetes e nos solares e magníficos apartamentos onde vivem esses varões da República, a fim de destruir qualquer prova de áudio que porventura possa a Polícia Federal obter no âmbito das investigações instauradas pelo STF.

Acontece que o poder de polícia só pode ser exercido pelos órgãos instituídos na Carta de 1988, no seu artigo 144, e refletidos nos artigos 21, 22 e 42, dentro do princípio constitucional de assegurar as liberdades públicas. Assim, somente podem compor o organograma da segurança pública constitucional a Polícia Federal (incluindo a Rodoviária e a Ferroviária) e as Polícias Civis e Militares dos Estados (incluindo o Corpo de Bombeiros).

POLÍCIA EM TODO CANTO – Nenhum outro corpo policial pode existir na República. Se não fosse assim, cada órgão de poder criaria a sua “polícia” própria, como a que existe no Senado. Também seriam criadas tais forças marginais nos tribunais superiores e nos Tribunais de Justiça dos Estados, nas Assembleias Legislativas, nos Tribunais de Contas, nas Câmaras Municipais, cada um com seu exército particular voltado para contrastar e a se opor aos órgãos policiais que compõem o estrito e limitado quadro de segurança pública estabelecido na Constituição.

Cabe, a propósito, ressaltar que todos os órgãos policiais criados na Carta Magna de 1988 estão submetidos à severa jurisdição administrativa do Poder Executivo, da União e dos Estados, sob o fundamento crucial de que nenhum ente público armado pode ser autônomo, sob pena de se tornar uma milícia. Nem as Forças Armadas – Exército, Marinha e Aeronáutica – fogem a essa regra de submissão absoluta ao Ministério da Defesa, pelo mesmo fundamento.

RENAN, O OUSADO – E não é que vem agora o atual chefe da nossa Câmara Alta declarar textualmente que a “polícia legislativa exerce atividades dentro do que preceitua a Constituição, as normas legais e o regulamento do Senado”? Vai mais longe o ousado presidente do Congresso Nacional, ao afirmar que o Poder Legislativo foi “ultrajado” pela presença, naquele templo sagrado, da Polícia Federal, autorizada pelo Poder Judiciário. Afinal, para o senhor Renan, o território do Senado é defendido pela chamada polícia legislativa. Ali não pode entrar a Polícia Federal, ainda mais para prender o próprio chefe da milícia – o Pedrão.

E com esse gesto heroico o preclaro chefe do Congresso Nacional proclama mais uma aberração: o da extraterritorialidade interna.

Como se sabe, a extraterritorialidade é concedida às embaixadas estrangeiras que se credenciam num país e ali têm instalada a sua representação diplomática. Trata-se, no caso, da extraterritorialidade externa, que garante a inviolabilidade da embaixada e a imunidade de jurisdição de seus membros, em tempos de paz e de guerra.

CAUDILHO DO SENADO – Mas não para aí a extraterritorialidade interna proclamada pelo grande caudilho do Senado. As palacianas residências e os apartamentos dos senadores e senadoras tampouco podem ser violadas pela Polícia Federal. Trata-se de um novo conceito de Direito Internacional Público inventado pelo grande estadista pátrio: a noção de extraterritorialidade estendida. Ou seja, o domicílio de um representante do povo é incólume às incursões da Polícia Federal autorizadas pelo Poder Judiciário.

Foi o que ocorreu em agosto, quando o ilustre marido de uma senadora do Paraná foi preso na residência do casal e dali foram retirados documentos comprometedores. A reação foi imediata: marido de senadora, estando na casa onde com ela coabita, não pode ser ali preso, pois se trata de espaço extraterritorial interno estendido!

E assim vai o nosso país, que não para de andar de lado em matéria de instituições republicanas. E o fenômeno é impressionante. Basta o sr. Calheiros declarar que o território do Senado é inviolável para que a tese seja acolhida por um ministro do Supremo, numa desmoralização do próprio Poder Judiciário, que se autodesautoriza, na pessoa do ilustre magistrado de primeiro grau que acolheu as providências da Polícia Federal no território livre do Senado Federal.

PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS – E, last but not least, o senhor das Alagoas, não contente com o reconhecimento da legitimidade de sua milícia e da extraterritorialidade interna, por força do despacho do ministro Teori Zavascki, propõe-se, com o maior rompante, próprio dos destemidos senhores medievais, a cercear as atividades da Polícia Federal, do Ministério Público e do Poder Judiciário, sob a égide do abuso do poder, para, assim, livrar-se, ele próprio, e liberar dezenas de representantes do povo no Congresso do vexame das “perseguições políticas” que se escondem nos processos por crime de corrupção, que nunca praticaram, imagine!

E vivam o foro privilegiado, a futura Lei de Abuso de Autoridade e os demais instrumentos e interpretações, omissões e postergações do STF, que, cada vez mais, garante a impunidade desses monstros que dominam o nosso Congresso Nacional, sob o manto de lídimos representantes do povo brasileiro. Que vexame, que vergonha!
(artigo enviado pelo advogado João Amaury Belem)

JF - Homem é agredido por grupo e leva tiro na mão

Rafaela Carvalho 
29 Outubro 2016 11:46

Um homem de 39 anos procurou atendimento médico no HPS na tarde dessa sexta-feira, 29, após ter sido agredido por um grupo de sete homens. 

De acordo com relatos do homem à polícia, ele teria se envolvido em uma briga no bairro Vila Olavo Costa, região Sudeste, na manhã daquele dia. Na ocasião, ele foi ferido com um corte no pescoço, mas não informou o motivo da briga. 

Ainda de acordo com o relato, durante a tarde, no mesmo dia, ele estaria transitando pelo local da briga quando foi surpreendido por sete indivíduos, que começaram a agredi-lo com socos e chutes. O homem desmaiou e, quando acordou, constatou que levou um tiro na mão direita. Ele não soube apontar a autoria do crime, assim como o motivo do mesmo.

Diário Regional - Juiz de Fora 

Mulher morre após homem atirar contra pessoas em restaurante

Rafaela Carvalho 29 Outubro 2016 20:32

Atualização às 21h01 de 29/10/2016

Uma mulher morreu no início da noite desse sábado, 29, após um homem entrar em um estabelecimento comercial, na Avenida Governador Valadares, no bairro Manoel Honório, zona Leste, e atirar contra as pessoas que estavam no local. 

As informações são da Polícia Militar (PM). De acordo com o Registro de Evento de Defesa Social (Reds), o homem entrou no restaurante e atirou com um revólver de calibre 38, ferindo um homem e vitimando a mulher. Ele foi detido e a arma utilizada no crime foi apreendida. Ainda segundo a PM, há suspeita de que outros indivíduos estavam envolvidos na cobertura do crime.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, momentos antes do fato teria havido uma troca de tiros entre integrantes de gangues rivais, e uma das pessoas envolvidas teria entrado no restaurante para se abrigar. Os indivíduos que atiravam, no entanto, seguiram-na e entraram no restaurante. A vítima fatal era esposa do proprietário do restaurante, e, além do homem que ficou ferido, uma criança de 11 anos também teria sido atingida de raspão. O homem foi socorrido pelo Samu em estado grave. As idades da mulher e do homem ferido ainda não foram divulgadas.

Diário Regional - Juiz de Fora

Trio é detido com arma e drogas após denúncia anônima em Juiz de Fora

29/10/2016 12h00 - Atualizado em 29/10/2016 12h00

Do G1 Zona da Mata

Drogas, arma e munição foram apreendidos pela PM no Bairro São Benedito 
(Foto: Polícia Militar/ Divulgação)

Dois jovens de 18 anos e um adolescente de 17 foram detidos na noite de sexta-feira (28) em Juiz de Fora. Eles foram flagrados embalando drogas em uma casa no Bairro São Benedito. A Polícia Militar (PM) chegou ao local após denúncia anônima que também informou que o trio estaria armado.

De acordo com a PM, assim que perceberam a chegada da viatura, fecharam a porta e apagaram a luz do imóvel. A equipe entrou e localizou um dos envolvidos na cozinha e dois dentro do guarda-roupas em um dos quartos.

Os policiais encontraram duas pochetes jogadas no terreno abaixo da janela. Dentro delas estavam 25 pedras de crack, seis papelotes de cocaína prontos para venda, quantidade de cocaína a ser embalada, um revólver calibre 38 com três munições intactas e uma picotada.
Foram apreendidos R$ 40 e materiais para pesagem e embalagem da droga.

O caso foi encaminhado para a Delegacia de Plantão da Polícia Civil, no Bairro Santa Terezinha.

sábado, 29 de outubro de 2016

Projeto Sons do Silêncio ensina surdos a tocar instrumentos musicais no Recife

29/10/2016 15h37
Recife
Sumaia Villela - Correspondente da Agência Brasil
Projetos Sons do Silêncio teve início em julho de 2015
Sumaia Villela/Agência Brasil

As buzinas e vozes do centro do Recife vão sumindo conforme os passos avançam na escada do velho Edíficio Almare, na Avenida Guararapes. No segundo andar, o barulho dá lugar à melodia de instrumentos musicais. A sala, quase no fim do corredor, tem grandes janelas de vidro e um quadro negro com partituras desenhadas a giz. Ajudada pela luz, as notas, desafinadas ou harmoniosas, transformam a aula de música em um ambiente tranquilizador. Mas ali, o professor e a repórter são praticamente os únicos que são embalados pela prática dos alunos. A maior parte dos estudantes nunca vai ouvir os acordes que praticam, porque eles são surdos.

No Instituto Inclusivo Sons do Silêncio, a música tem um significado diferente para a turma. Os alunos sentem na pele, no peito, assim como os ouvintes. Mas não no sentido figurado. Literalmente, por meio da vibração. Grave ou agudo, dó, ré, fá, sol, todas as notas e timbres vibram para eles e constroem a memória musical dos participantes do projeto, que teve início em julho de 2015.

Dayvinson Leandro tem aula de trompete no projeto Sons do Silêncio
Sumaia Villela/Agência Brasil

Dayvinson Leandro, 29 anos, costumava "ver" desenhos, quando era criança, com a mão na televisão, para sentir a emoção do inatingível som. Até hoje ele usa o método. Edson Alves, 22, gosta de ficar próximo à caixa de som, na igreja onde o pai é pastor, para provar um pouco da empolgação dos fiéis, que batem palmas, se agitam e cantam juntos.

Foi essa capacidade de “sentir” o som que o radiologista Dean Shibata, da Universidade de Washington, descobriu ser diferente em pessoas com deficiência auditiva. O cientista revelou que a área do cérebro dos ouvintes que percebe a música é a mesma com que os surdos percebem a vibração. E foi essa pesquisa que levou o músico profissional e pedagogo Carlos Alberto Alves, o Carlinhos Lua, 47 anos, a tentar derrubar um tabu: o de que surdos conseguiriam apenas tocar instrumentos de percussão.

“Eu estava fazendo pesquisa no curso de pedagogia, e escutei um professor dizendo que o surdo não poderia tocar violino. Que saxofone era impossível. Que o instrumento natural do surdo é percussão. Como eu já fazia curso de libras, no aniversário do meu professor toquei saxofone e ele se emocionou. Perguntei se ele estava ouvindo e ele falou que não, mas que sentia a vibração”, recorda o idealizador do instituto.

Carlinhos Lua observou, então, que ele próprio conseguia sentir essa vibração, mas de dentro do instrumento. Uma peça chamada palheta provoca a sensação. Ele colocou na cabeça, então, que ensinaria surdos a tocar saxofone. Aprofundou as pesquisas e conheceu o método Tadoma, em que um surdo-cego coloca a mão no rosto e garganta da pessoa que fala de forma a sentir a vibração das cordas vocais.

O professor Carlinhos Lua mostra o aparelho desenvolvido para auxiliar no ensino da música a surdos - Sumaia Villela/Agência Brasil

A partir daí, desenvolveu um método próprio de ensino. Ao reproduzir uma nota, toca no ombro do aluno para que ele sinta a vibração. Indica a posição no instrumento e, uma vez que a pessoa tenha conseguido emitir o som corretamente, passa para o ensino da partitura.

Por causa dessas características, o aprendizado é mais lento que o dos ouvintes, mas surte efeito. José Hilton, 23 anos, conseguiu tocar um trecho de música depois de passar o fim de semana praticando em casa com o violão emprestado do projeto. Os gêmeos Anderson e Alexsson Lima, 22 anos, os primeiros alunos da turma, são os mais avançados e produzem as notas com afinação. “Sou humilde, mas a música me torna mais confiante, capaz”, conta Alexsson. Uma mudança que ele aguardou por dois anos em uma escola de música que frequentava antes do projeto, onde só deixavam que ele observasse ouvintes tocando, sem permitir que tocasse instrumentos.

Orquestra inclusiva
Para encontrar alunos dispostos a provar sua teoria, Carlinhos Lua percorreu escolas onde pessoas com deficiência auditiva estudavam. O primeiro a se interessar foi Anderson, que depois levou seu irmão gêmeo às aulas. Só que os dois não queriam tocar saxofone, e sim trompete de vara. “Passei o fim de semana estudando com o instrumento de um amigo e dei aula na segunda. Assim que começou”, lembra o saxofonista. Quanto mais pessoas buscavam a aula, mais se diversificava o interesse pelos instrumentos: violão, teclado, até tuba.

Foi assim que começou o sonho de Carlinhos, ainda nos passos iniciais, de criar o que ele acredita ser a primeira orquestra filarmônica inclusiva que tem o surdo em instrumentos variados, não só percussivos. Seus alunos vibram com a ideia. “Quero ser o primeiro tecladista surdo do mundo. O ouvinte vai ficar admirado, vou ficar famoso”, vislumbra Edson. “Vou viajar para São Paulo, para o exterior, tocando”, planeja Dayvinson, ambos se comunicando por libras e sendo traduzidos pelo professor.

A proposta é incorporar também pessoas com outras deficiências e músicos sem deficiência nenhuma. O professor quer evitar que o público veja a orquestra de uma forma estigmatizada. “A música não exclui ninguém, o que exclui são as pessoas. Se você tirar uma foto das pessoas com instrumentos na mão, não vai identificar a deficiência de ninguém. Vai ser um trombonista, um saxofonista. Não vai ser um surdo, cego. Não vai ser um deficiente, vai ser um músico.”

Falta de apoio
O Sons do Silêncio foi um dos selecionados para incubação no Porto Social, iniciativa que ajuda a formalizar e capacitar projetos sociais para que conquistem melhores resultados e apoio financeiro. O instituto agora tem estatuto e CNPJ, mas ainda não conseguiu financiadores para a orquestra.

O maior entrave é a falta de instrumentos. O saxofone é do próprio professor, eles trocam apenas a boquilha. O trombone é emprestado de um amigo; o violão é do filho dele. A única doação que recebeu foi a de um violino, entregue por uma jornalista. A turma já chegou a 20 alunos, mas hoje tem 12, por causa da evasão. “Um aluno surdo passou quase dois meses afastado porque não tinha violão. Surdo não tem paciência para ficar só na teoria, só lendo”, conta Carlinhos.

Afinadores eletrônicos também ajudariam, porque os surdos não conseguem afinar o próprio instrumento. Hoje, um tempo da aula é dedicado à afinação, feita somente pelo professor e por Wilson Teixeira, 25 anos, produtor de eventos e músico amador que tem deficiência visual e integra o grupo.

“Muitas vezes nós, as pessoas com deficiência, somos barrados. [O cidadão com deficiência] visual já é [barrado], quem dirá auditivo. Temos esse breque no Conservatório de Música justamente por isso. Encontrar o projeto, a calma que ele tem de ensinar, o método que ele desenvolveu diante de muito estudo, é uma coisa fantástica”, elogia Wilson, que destaca a proposta inclusiva do projeto. “A inclusão é isso, não é só reunir um grupo de pessoas com deficiência. É juntar todo mundo, quem tem e quem não tem deficiência. É por isso que lutamos”, completa.

Tecnologia pode ajudar
Carlinhos Lua sonha ainda mais alto que a orquestra. Um dos projetos dele é usar a tecnologia para sofisticar seu método de ensino. Criou, com um amigo, um aparelho para amplificar a vibração do instrumento. Nada complicado, e sim engenhoso: um microfone ligado por um cabo a uma caixinha de som adaptada para ficar confortável ao toque. A máquina é usada como uma pulseira, e a boca da caixinha fica colada à pele. Agora falta aprimorar a vibração do agudo, que ainda é muito fraca.

Cada vez mais inserido no mundo dos surdos, o professor passou também a identificar outras dificuldades, e pretende ampliar a atuação do instituto para ajudar a ultrapassar esses obstáculos. “O surdo entra na escola muito tarde, segundo li. A família esconde a pessoa dizendo que é amor, proteção, mas atrapalha a formação. Quando ele cresce, coloca o menino em uma escola pública. A professora não sabe nada da cultura do surdo, sem saber libras, que é a primeira língua dele. A gente também está preocupada com isso, e queremos criar um centro de formação para ensinar libras e fazer com que entrem na escola em idade correta", ressalta Carlinhos Lua.

Edição: Juliana Andrade
Agência Brasil

Números de celulares de todo o país terão nove dígitos a partir do dia 6

29/10/2016 15h09
Brasília
Sabrina Craide – Repórter da Agência Brasil
Daqui a uma semana o nono dígito valerá para todo o país
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Quem costuma fazer ligações ou mandar mensagens para celulares já percebeu que, em grande parte do país, é preciso acrescentar o número 9 na frente do número do telefone para que a ligação seja completada. O nono dígito já está em vigor para 24 estados e daqui a uma semana valerá para todo o país.

A partir do dia 6 de novembro, o nono dígito deverá ser acrescentado também para os telefones das regiões com DDD entre 41 e 49, ou seja, os estados do Paraná e de Santa Catarina, e para as áreas de registro 51, 53, 54 e 55, no Rio Grande do Sul. Essa é a última etapa de implantação do nono dígito, que começou em 2012, por São Paulo.

Para fazer ligações ou mandar mensagens de qualquer lugar do país, seja de telefone fixo ou móvel, para celulares será preciso discar o 9 antes do número do telefone. Segundo a Anatel, a inclusão de mais um dígito nos telefones móveis tem como principal objetivo aumentar a disponibilidade de números na telefonia celular.

Edição: Maria Claudia
Agência Brasil

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Ubá e São João del Rei passam a receber voos de Juiz de Fora

28/10/2016 20h01 - Atualizado em 28/10/2016 20h01

Do G1 Zona da Mata

A Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) anunciaram, nesta sexta-feira (28), a implementação de duas novas rotas para voos saindo de Juiz de Fora, com destino a Ubá e São João del Rei.

As mudanças fazem parte da segunda fase do Projeto de Integração Regional de Minas Gerais e envolvem também a entrada de Araxá, Lavras, Manhuaçu, Passos e Pouso Alegre do programa. Todas as localidades terão voos de ligação com Belo Horizonte e serão incluídas em conexões entre os outros 12 municípios que já estão ativos.

Do Aeroporto da Serrinha, em Juiz de Fora, para Ubá, o tempo de viagem estimado é de 20 minutos e a passagem custa R$ 150. O voo de ida é pela manhã e o de volta, no início da tarde. Já entre Juiz de Fora e São João del Rei, o tempo de viagem é de 25 minutos e o valor é R$ 200. Neste caso, O voo sai da cidade histórica pela manhã e, o de volta, pela tarde.

As novas rotas começam a valer na próxima quarta-feira (2) e os bilhetes já estão sendo vendidos, pelo site www.voeminasgerais.com.br. O passageiro poderá adquirir seu voucher até 40 minutos antes do voo, desde que haja disponibilidade, tanto pela internet quanto pelo balcão de atendimento dos aeroportos.

De acordo com o comunicado oficial da Codemig, os destinos escolhidos nesta fase do projeto partiram da avaliação do primeiro mês de funcionamento dos voos entre cidades anteriores e por sugestões feitas por passageiros e moradores dos municípios que já eram atendidos na primeira fase.

Na ocasião, a maior procura por passagens foi de passageiros de Teófilo Otoni, Viçosa, São João del-Rei, Diamantina, Patos de Minas e Juiz de Fora.

Ibope, votos válidos: Bruno tem 60% e Margarida, 40%

28/10/2016 19h15 - Atualizado em 28/10/2016 19h27

Do G1 Zona da Mata

Foi divulgada nesta sexta-feira (28) a última pesquisa Ibope de intenção de votos para a Prefeitura de Juiz de Fora do segundo turno. O levantamento foi encomendado pela TV Integração.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Segundo o Ibope, isso significa que, se levarmos em conta a margem de erro, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Votos totais:
- Bruno Siqueira (PMDB) - 49% (pela margem de erro, entre 45% e 53%)
- Margarida Salomão (PT) - 33% (pela margem de erro, entre 29% e 37%)
- Branco/Nulo - 14%
- Não sabe/não respondeu: 4%

No levantamento anterior, Bruno tinha 54%, Margarida, 25%, brancos e nulos eram 17% e não sabiam, 4%.

Votos válidos:
- Bruno Siqueira - 60% (pela margem de erro, entre 56% e 64%)
- Margarida Salomão - 40% (pela margem de erro, entre 36% e 44%)

Na pesquisa anterior, Bruno tinha 68% e Margarida, 32%.

Para calcular os votos válidos, o Ibope excluiu os votos brancos, nulos e os eleitores que se declaram indecisos. Esse procedimento é o mesmo usado pela Justiça Eleitoral na hora de divulgar o resultado oficial da eleição.

O Ibope ouviu 602 eleitores entre os dias 26 e 28 de outubro. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) sob o protocolo MG-07244/2016.

Justiça proíbe Margarida de fazer caminhada no mesmo local que Bruno

28/10/2016 17h46 - Atualizado em 28/10/2016 17h46

Bárbara Almeida
Do G1 Zona da Mata

Bruno e Margarida vão disputar 2º turno em Juiz de Fora
 (Foto: Rafael Antunes e Vagner Tolendato/G1)

A Justiça Eleitoral determinou que a candidata à Prefeitura de Juiz de Fora, Margarida Salomão (PT), não realize a "Caminhada da Vitória" na manhã de sábado (29) no Calçadão da Rua Halfeld até a Avenida Getúlio Vargas. De acordo com a decisão do juiz Edir Guerson de Medeiros, o evento tradicional na cidade só poderá ser realizado das 10h às 13h pelo candidato a reeleição, Bruno Siqueira (PMDB).

De acordo com a Justiça Eleitoral, como apenas a coligação do PMDB, "Pro futuro e agora" enviou um ofício comunicando previamente a Polícia Militar (PM) sobre a realização do evento, a coligação do PT, "Viva Juiz de Fora", não poderia realizar a passeata no mesmo horário e local para prevenir prejuízos ao processo eleitoral.
Candidatos realizariam passeata no mesmo local e horário (Foto: Lucas Peths/G1)

“Em vista dos documentos acostados, entendo que somente um dos candidatos poderá realizar atos de propaganda eleitoral no Calçadão da Rua Halfeld, havendo coincidência de horários. Pois na eventualidade de ambos praticarem os atos noticiados concomitantemente, certamente haverá tumulto e perigo de danos de consequência inimagináveis. Quanto ao fato de quem poderá realizar o evento, não há dúvidas que é o candidato Bruno Siqueira eis que tomou providências legais comunicando a passeata desde o dia 7 de outubro a PM... ", diz o documento.

Ainda de acordo com o documento, a candidata do Margarida pode realizar a passeata no Calçadão da Rua Halfeld no sábado, apenas das 13h30 às 22h.

PM
A PM confirmou ao G1 que a coligação do candidato Bruno Siqueira protocolou o documento informando a realização da passeata às 10h, no Calçadão da Rua Halfeld, no sábado (29), no último dia 7 de outubro.

Ainda de acordo com a PM, a coligação da candidata Margarida Salomão protocolou nesta sexta-feira (28) um documento informando a realização de uma caminhada também no sábado, às 10h, na Rua Marechal Deodoro.

O G1 entrou em contato com as assessorias de comunicação da candidata do Partido Trabalhista (PT) e do candidato do PMDB para saber se eles querem se posicionar sobre o assunto e aguarda retorno.
Margarida Salomão (PT) publicou nota em Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)

Manifesto nas redes sociais
A candidata Margarida Salomão publicou nas redes sociais nesta sexta-feira (28) um nota oficial sobre a decisão. Na publicação, ela diz que a decisão foi baseada no medo de um possível confronto de “torcidas”.

"... Juiz de Fora tem uma tradição de décadas das manifestações pacíficas, alegres e animadas no sábado de manhã no Calçadão da Rua Halfeld. Não há registro de uma só ocorrência que justifique o pedido nem a decisão do juiz.

O evidente crescimento da nossa campanha faz com que nosso adversário apele para a Justiça para tentar minar nossa principal força, o apoio popular. “A judicialização da política, aliás, é uma característica de quem quer evitar o debate de ideias e propostas”, diz parte do texto.

Conselho Federal de Economia é contra a PEC 241 e sugere revisão tributária

Charge do Iotti, reprodução da Zero Hora

Do site do Cofecon

O Conselho Federal de Economia, entidade representativa dos 230 mil economistas brasileiros, posiciona-se francamente contra a PEC 241, posicionamento adotado no 25º Simpósio Nacional dos Conselhos de Economia, realizado de 31 de agosto a 2 de setembro em Natal (RN) e que reuniu cerca de 200 economistas representando os 26 Conselhos Regionais de Economia.

Somos os primeiros a defender que o Brasil precisa retomar o quanto antes o crescimento econômico, mas não a qualquer preço, e sim preservando a inclusão social e avançando na distribuição social e espacial da renda.

A sociedade brasileira fez uma opção em 1988, inserindo na Constituição um sistema de seguridade social e de educação pública que, naturalmente, demanda vultosos recursos. Mas é este sistema que hoje, mesmo com forte queda do PIB e do nível de emprego, impede que tenhamos hordas de flagelados, saques a supermercados e quebra-quebras nas periferias das metrópoles, como ocorreu em passado recente.

DESIGUALDADE SOCIAL – Não obstante os avanços nas últimas décadas, o Brasil persiste como um dos países de maior desigualdade social. Um dos principais mecanismos de concentração da renda e da riqueza, senão o principal, é nosso modelo tributário, altamente regressivo, economicamente irracional e socialmente injusto.

No atual momento de crise fiscal, não há como atender às crescentes demandas sociais sem mexer em nosso modelo tributário, no qual 72% da arrecadação de tributos se dão sobre o consumo (56%) e sobre a renda do trabalho (16%), ficando a tributação sobre a renda do capital e a riqueza com apenas 28%, na contramão do restante do mundo. Na média dos países da OCDE, por exemplo, a tributação sobre a renda do capital representa 67% do total dos tributos arrecadados, restando apenas 33% sobre consumo e renda do trabalho.

CAMINHO MAIS FÁCIL – Contudo, em lugar deste debate, adota-se o caminho mais fácil, jogando o ônus nos ombros dos mais pobres. Dessa forma, o governo traça um falso diagnóstico, identificando uma suposta e inexistente gastança do setor público, em particular em relação às despesas com saúde, educação, previdência e assistência social, responsabilizando-as pelo aumento do déficit público, omitindo-se as efetivas razões, que são os gastos com juros da dívida pública (responsáveis por 80% do déficit nominal), as excessivas renúncias fiscais, o baixo nível de combate à sonegação fiscal, a frustração da receita e o elevado grau de corrupção.

Para buscar o reequilíbrio das contas públicas, propõe um conjunto de ações cujos efeitos negativos recairão sobre a população mais vulnerável, sendo a PEC 241 a principal delas, propondo o congelamento em valores reais das despesas, incluindo os recursos destinados à saúde e à educação, configurando-se em medida inaceitável, tendo em vista que o atual volume de recursos para essas áreas já é insuficiente para ofertar à população um serviço de melhor qualidade e que atenda de forma plena a demanda.

Segundo o Fórum Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde, estima-se que a medida, caso implementada, reduzirá em R$ 650 bilhões os recursos do setor nos próximos 20 anos, recursos esses já insuficientes para atender uma população que envelhece rapidamente, demandando investimentos crescentes.
(texto enviado pelo comentarista Carlos Frederico Alverga)

Lula, o vampiro irresponsável de 71 anos, agora quer o sangue novo dos adolescentes para ver se sobrevive

Por: Reinaldo Azevedo 28/10/2016 às 8:29

A situação política de Luiz Inácio Lula da Silva, que fez 71 anos nesta quinta-feira, é tão miserável que ele resolveu agora molestar politicamente os adolescentes. Está pedindo socorro a garotas e garotos de 16 anos que integram grupos que invadiram escolas públicas, movimento obviamente liderado pelo PT e seus satélites de extrema esquerda.

Setores da imprensa decidiram transformar em heroína a estudante Ana Júlia Pires Ribeiro, que integra o grupelho de invasores de uma escola pública no Paraná. Num discurso na Assembleia, essa garota acusou os deputados de estarem “com as mãos sujas de sangue”. Foi interrompida, e com razão, pelo presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB), que afirmou que não toleraria ofensa aos deputados.

É chato ter de afirmar que uma jovem de 16 anos disse uma mentira e uma bobagem. Mas foi o que ela fez. Já chego lá. Rápida no gatilho, a moça replicou com outra besteira: “Eu peço desculpas, mas o Estatuto da Criança e do Adolescente nos diz que a responsabilidade pelos nossos adolescentes e estudantes é da sociedade, da família e do Estado”.

Foi ovacionada, como se tivesse dito coisa com coisa e está sendo tratada como uma espécie de Schopenhauer da fase pós-aleitamento materno.

Vamos ver. Ao falar em mãos sujas se sangue, ela se referia à morte de Lucas Eduardo Araújo Mota, morto a facadas na escola Santa Felicidade por um outro estudante. Os dois eram invasores. Aqueles que passam a se considerar os donos do patrimônio público não permitem a entrada da polícia ou de pais nas áreas invadidas porque consideram que a sua assembleia é soberana — como, aliás, esta nova Kant das invasões deixa claro em entrevista à Folha.

De fato, o ECA atribui a esses entes a tarefa de proteger a criança e o adolescente, mas supor que o responsável pela morte de Lucas é a sociedade, a família ou o Estado é uma pérola da militância mais estúpida. Dentro da Santa Felicidade, quando o rapaz foi assassinado, não havia representação da sociedade, não havia família, não havia Estado. Só havia invasores.

A resposta dessa garota é coisa de militante política. Se ela é ou não, pouco importa. Não me interessa saber se ela está convicta do que diz ou só repete os chavões dos militantes de esquerda que comandam o ato. Na entrevista à Folha, diz coisas espantosas como:
“A legalidade do movimento é bem clara para mim. A escola é nossa. E, se a gente está lutando por algo que é nosso, a gente pode ocupar”.

Alguém poderia dizer: “Pô, Reinaldo, vai agora contestar uma menina de 16 anos?”. Em primeiro lugar, sim! Ela tem o direito de aprender. Ela tem o direito de saber que está falando uma besteira. Em segundo lugar, não sou eu quem está fazendo de Ana Júlia uma pensadora… Considero, na verdade, suas respostas fracas mesmo para uma adolescente da sua idade. Quem, a esta altura, não sabe que o bem público é aquilo que a todos pertence — e não ao grupelho que dele decide se apoderar — não vai aprender tão cedo. Tende a falar bobagem por muitos anos.

Embora a mocinha negue a doutrinação, esta se evidencia de forma solar nesta resposta:
“Eu não acho que a ocupação afronta a Constituição, até porque ela também tem o apoio da Constituição. Sim, eles têm direito à educação, mas a ocupação foi decidida no coletivo. A gente vive num estado democrático”.

Como a gente nota, se ela acha que não afronta, então “não”. Ela reconhece o direito à educação dos demais estudantes, que ela chama de “eles”, mas ora vejam, alega que a ocupação foi decidida pelo “coletivo”. O tal coletivo, que é o grupelho que ela integra, impõe, então, na marra, a sua vontade aos outros. É o que ela entende por “estado democrático”. Se o governo do Paraná, que foi eleito, resolver entrar na escola e tirar de lá a minoria de invasores, que impede a maioria de estudar, é certo que Ana Júlia vai achar que isso é coisa de ditadura.

De volta a Lula
Mas e Lula? Pois é… A Folha informa que, depois da performance da moça, respondendo heroicamente a um deputado com uma questão falsa como nota de R$ 3, recebeu um telefonema de Lula. Sim, ele se disse emocionado com o discurso da menina. É evidente que o ex-presidente sabia que isso seria noticiado na imprensa. Está mais do que claro que o Apedeuta pretende, com esse gesto, ver se consegue fazer com que o movimento, que está em declínio do Paraná, retome a sua força.

Lula está na lona. Isso nada tem a ver com seus 71 anos. A sua fantasia política é que foi nocauteada. Como um Nosferatu desesperado, ele está em busca de sangue novo. Está pedindo socorro a jovens militantes para ver se consegue sobreviver.

Os brasileiros, como as eleições deixaram claro, não querem mais saber dele e de seu partido.

O telefonema, dada a motivação tornada pública, é só a contribuição que um velho político, no seu ocaso, dá à irresponsabilidade.
Texto publicado originalmente às 4h21

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/lula-o-vampiro-irresponsavel-de-71-anos-agora-quer-o-sangue-novo-dos-adolescentes-para-ver-se-sobrevive/

Em novembro, contas de luz terão acréscimo de R$ 1,5 a cada 100 kWh consumidos

28/10/2016 17h33
Brasília
Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil

A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz no mês de novembro será a amarela, com custo de R$ 1,5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. A medida se deve às condições hidrológicas menos favoráveis, o que determinou o acionamento de usinas termelétricas, mais caras.

Definição das bandeiras tarifárias depende de número de termelétricas acionadas para produção de energia no país - Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Desde abril deste ano, a bandeira tarifária estava verde, ou seja, não havia custo extra para os consumidores. No ano passado, todos os meses tiveram bandeira vermelha, primeiramente com cobrança adicional de R$ 4,5 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos e, depois, com a bandeira vermelha patamar 1, que significa acréscimo de R$ 3 a cada 100 kWh.

O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado em janeiro de 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, mai cara do que a energia de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia elétrica em função das condições de geração de eletricidade. Por exemplo, quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país.

Cobrança
Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de cobrar um valor que já era incluído na conta de energia, por meio do reajuste tarifário anual das distribuidoras. A agência considera que a bandeira torna a conta de luz mais transparente e o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

Edição: Luana Lourenço
Agência Brasil

Eleitor que não votou nem justificou no 1º turno pode votar normalmente no 2º

27/10/2016 17h37
Brasília
Da Agência Brasil

De acordo com o TSE, o segundo turno será realizado em 57 cidades 
Fabio Rodrigues Pozzebom/AgênciaBrasil

Mesmo quem não compareceu à seção eleitoral no primeiro turno das eleições municipais, no dia 2 de outubro, nem conseguiu justificar a ausência às urnas, poderá votar normalmente nas eleições deste domingo (30), para escolher prefeitos e vice-prefeitos. O segundo turno será realizado em 57 cidades de 20 estados, de acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Caso esteja fora do seu domicílio eleitoral no dia 30, o eleitor poderá justificar a ausência apresentando o Requerimento de Justificativa Eleitoral nos locais de votação. O documento é distribuído nesses locais e também pode ser impresso no portal do TSE na internet. O eleitor terá de preencher o formulário e assiná-lo na presença de um mesário.

Além do requerimento preenchido e do número do seu título, o eleitor terá de apresentar um documento de identificação oficial com foto, como carteiras de identidade, de habilitação ou de trabalho, passaporte, identidade funcional ou qualquer outro documento de valor legal.

Se o eleitor não puder apresentar a justificativa no dia da votação, deverá fazê-lo até o dia 29 de dezembro (60 dias após o segundo turno). E quem não votou, nem justificou a ausência no primeiro turno tem até o dia 1º de dezembro para fazê-lo. Nessas situações, a justificativa poderá ser entregue em qualquer cartório ou posto de atendimento eleitoral ou encaminhada, via postal, ao cartório da zona eleitoral onde o eleitor for inscrito.

Aqueles que estiverem no exterior no dia da eleição terão até 30 dias contados da data do retorno ao Brasil para apresentar a justificativa à Justiça Eleitoral, podendo entregá-la pessoalmente ou encaminhá-la pelos Correios. O requerimento deve ser apresentado – juntamente com cópia de documento brasileiro válido de identificação e com a prova do motivo alegado – ao respectivo cartório do município onde o eleitor vota.

Sanções
O eleitor que não votar e não apresentar justificativa ficará impedido de tirar passaporte, inscrever-se em concurso ou prova para cargo ou função pública, investir-se ou empossar-se neles e renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo.

Já aquele que não votar em três eleições consecutivas, não justificar sua ausência, nem quitar a multa devida terá a inscrição cancelada. Para efeito de cancelamento, cada turno é considerado uma eleição.

Acessibilidade
No dia da votação, o eleitor não poderá entrar acompanhado na cabina, para preservar o sigilo do voto, garantido pela Constituição. No entanto, pessoas que tenham alguma restrição de mobilidade ou dificuldade de locomoção têm o direito de ser auxiliadas por alguém de sua confiança na hora de votar.

As urnas eletrônicas são identificadas com uma marca em relevo na tecla 5 para orientar o eleitor cego com relação às demais teclas e um sistema de áudio, que é automaticamente habilitado para o eleitor que já se identificou à Justiça Eleitoral como deficiente visual.

Edição: Augusto Queiroz
Agência Brasil

Nova Voz do Brasil estreia na próxima segunda-feira

28/10/2016 06h03
Brasília
Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil

Sede da EBC em BrasíliaABR

Na próxima segunda-feira (31), o programa A Voz do Brasil, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), estreia em novo formato. O programa de rádio mais antigo do país será mais interativo e próximo do cidadão. Haverá novos quadros, com jornalismo, prestação de serviço e diálogo com os ouvintes.

A ideia é oferecer um programa que lembre menos o formato solene e distante de décadas anteriores e tenha uma linguagem mais descontraída, mais próxima do cidadão. O programa contará com novos apresentadores, Airton Medeiros e Gláucia Gomes. “A ideia da nova Voz do Brasil é aproximar o cidadão, trazê-lo para perto da notícia, da informação. Fazer com que o cidadão interaja com o que fazemos aqui na EBC. A gente não pode estar distante”, diz Gláucia.

Os ouvintes poderão tirar suas dúvidas sobre programas sociais, sobre o trabalho do presidente da República e ministros, além de pedir informações sobre como tirar documentos, por exemplo, e fazer perguntas a integrantes do Poder Executivo.

Veiculado diariamente (exceto aos sábados, domingos e feriados) das 19h às 20h, os primeiros 25 minutos são dedicados às notícias sobre o Poder Executivo. As mudanças da nova Voz do Brasil se darão nessa primeira parte do programa. A produção dos outros 35 minutos é de responsabilidade dos Poderes Legislativo e Judiciário.

História
Produzida há 78 anos, a Voz do Brasil é o programa de rádio mais antigo do país e do Hemisfério Sul ainda em execução. Começou em 1938, na época do Estado Novo, da era Vargas. O programa nasceu com o objetivo de fazer propaganda do Estado Novo e se chamava A Hora do Brasil. Nessa época, a veiculação já era obrigatória nas rádios, com o horário fixo das 19h às 20h, no horário de Brasília.

O nome A Voz do Brasil foi adotado a partir de 1971. Ao longo dos anos, passou por reformulações. Em 1998, por exemplo, foi incluída uma voz feminina na locução. A Voz do Brasil alcança hoje cerca de 60 milhões de brasileiros e é transmitida em todas as emissoras de rádio do país.

Edição: Graça Adjuto
Agência Brasil

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Ligações entre 587 municípios vizinhos ficarão mais baratas a partir de domingo

26/10/2016 20h17
Brasília
Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil

A partir do próximo domingo (30), as chamadas de telefones fixos entre 587 municípios vizinhos deixarão de ser cobradas como interurbanas e terão a mesma tarifa das chamadas locais. A estimativa da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) é que a mudança resulte em uma redução de 60% no custo desse tipo de ligação nessas localidades.


Medida beneficiará consumidores das regiões Sul, Nordeste, Sudeste e Norte 
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A queda de preços beneficiará consumidores de 281 municípios da Região Sul; 199 da Região Nordeste; 69 do Sudeste; e 38 municípios da Região Norte. Segundo a Anatel, o benefício real da mudança vai depender do plano de serviço contratado pelo assinante, já que, além dos planos básicos, as concessionárias oferecem planos alternativos.

As alterações do regulamento sobre áreas locais para a telefonia fixa foram publicadas no dia 3 de maio e a agência havia dado prazo de 180 dias para entrada em vigor da medida, que vence neste domingo.

A relação dos municípios afetados pela medida pode ser consultada no site da Anatel

Edição: Luana Lourenço
Agência Brasil